Fotossíntese - BioMania

Menu
Busca



INFORMATIVO
DVDs Slides Premium - Ciências e Biologia
São mais de 7.500 slides em todos os assuntos de Ciências e Biologia, prontos para sua apresentação, trabalho, aula ou estudo.
Produto será disponibilizado por download.
De R$ 59,90 por apenas
R$ 9,90.
Unidades Limitadas.
Clique aqui e saiba mais

   Ecologia


FOTOSSÍNTESE


1. Conceitos Básicos

Captada pelas células vegetais, na fotossíntese, a energia luminosa permite a produção da matéria orgânica rica em energia química. Essa energia é liberada na respiração celular, executada por todas as células vivas, vegetais ou não, e transferida para moléculas de ATP. Portanto, o fluxo de energia nos seres vivos tem duas fases: a fotossíntese e a respiração celular.

 

 

 

 

Em todas as transformações ou transferências de energia, uma parte dela é dissipada para o meio ambiente na forma de calor. Essa energia perdida não é empregada na realização de trabalho, exceto para manter o próprio corpo aquecido, como fazem as aves e mamíferos. A capacidade de realizar a fotossíntese está presente nas cianobactérias, organismos anteriormente conhecidos como "algas azuis" ou "algas cianofíceas".

Nos vegetais superiores, a fotossíntese é realizada em organóides citoplasmáticos, os cloroplastos.

 

2. Os Plastos

Um tipo de organóide característico das células vegetais são os plastos, que acumulam substâncias. Desses, os mais abundantes e importantes no processo da fotossíntese são os cloroplastos, onde estão as moléculas da clorofila.

Os cloroplastos apresentam algumas semelhanças estruturais com as mitocôndrias, organóides responsáveis pela respiração celular e que serão apresentados nos próximos módulos. São revestidos por uma dupla membrana lipoprotéica. Seu espaço interno é preenchido pelo estroma, uma substância amorfa (amorfa = sem forma definida). No estroma, podem ser encontrados grânulos de amido. Quando o cloroplasto é estudado ao microscópio eletrônico, verifica-se a presença, em seu interior, de um sistema de membranas que delimitam sacos discóides achatados e empilhados.

Esses sacos são as lamelas ou tilacóides. A palavra "tilacóide" vem do grego tilakos, que significa saco. Nos cloroplastos das células dos vegetais superiores, os tilacóides se arranjam como "pilhas de moedas". Cada uma dessas pilhas é chamada granum (plural = grana). Há faixas de membranas que atravessam o estroma, unindo os grana. No seu interior estão as moléculas de clorofila.

Os cloroplastos apresentam certa autonomia dentro das células. Sintetizam proteínas e podem se autoduplicar devido à existência de DNA, RNA e ribossomos no interior desses organóides. Novos cloroplastos surgem da duplicação de cloroplastos preexistentes. Essas características reforçam a tese defendida por muitos pesquisadores, que afirmam serem os cloroplastos, assim como as mitocôndiras, organismos procariontes que, precocemente na evolução da vida, foram englobados por células mais complexas e passaram a viver no seu interior, em uma relação de benefício recíproco (ou mutualismo).

 

3. Os Pigmentos Fotossintetizantes

O termo "pigmento" significa substância colorida. A cor do pigmento fotossintetizante depende das faixas do espectro da luz visível que ele absorve ou reflete. A clorofila, que dá a cor verde característica da maioria dos vegetais, absorve muito bem a luz nas faixas do vermelho e do violeta, refletindo a luz verde. Como a luz refletida é a que atinge os nossos olhos, essa é a cor que vemos, ao olharmos para uma folha. O perfil de absorção de luz de uma substância é o seu espectro de absorção.

Todas as células fotossintetizantes, exceto as bacterianas, contêm 2 tipos de clorofila, e um deles sempre é a clorofila a. O segundo tipo de clorofila geralmente é a clorofila b (nos vegetais superiores) ou a clorofila c (em muitas algas). Esses diversos tipos de clorofila diferem quanto à faixa do espectro da luz visível na qual cada uma delas capta luz com mais eficiência.

As clorofilas a e b possuem espectros de absorção de luz ligeiramente diferentes, como mostra o gráfico a seguir:

Podemos verificar, analisando o gráfico, que ambas as clorofilas possuem dois picos de absorção: um mais elevado, na faixa do violeta, e um outro menor, na faixa do vermelho.

Os carotenóides são pigmentos acessórios. Eles absorvem luz em faixas um pouco diferentes das faixas das clorofilas. A presença desses pigmentos acessórios faz com que muitas folhas tenham cores diferentes do verde. Embora tenham clorofila, a presença desses outros pigmentos em grandes quantidades mascara a sua presença e deixa as folhas com outras cores (arroxeadas, alaranjadas, amarelas, etc.).

Muitas folhas mudam de cor, no inverno, pela diminuição na quantidade de clorofila. Como a quantidade dos outros pigmentos não se altera tão significativamente, as suas cores passam a ser vistas, tornando as folhas geralmente amareladas.






Os animais mais estranhos do planeta

A saiga (Saiga tatarica)é uma espécie de antílope que habita certas áreas da Ásia, principalmente o deserto de Gobi.

A característica que mais se faz notar na saiga é o seu nariz flexivel parecido com o do elefante que serve para ...




[ Mandar esta matéria para um amigo ]
 
Disciplinas
Aeronáutica e astronáutica 
Anatomia Humana 
Artrópodes 
Astronomia 
Biofísica 
Biografias 
Bioquímica 
Botânica 
Citologia 
Dinâmicas 
Ecologia 
Embriologia 
Evolução 
Fisiologia 
Fisiologia Vegetal 
Frutas Comestiveis 
Genética 
Geografia Fisica 
Geologia 
Histologia 
Ictiologia 
Imunologia 
Invertebrados 
Meio Ambiente 
Microbiologia 
Patologias 
Reproduçao 
Taxonomia 
Vertebrados 
Zoologia 
 
© 1999/2016 - BioMania- Todos os direitos reservados