Fisiologia da Condução de Seiva nos Vegetais - BioMania

Menu
Busca



INFORMATIVO
DVD Atividades práticas em sala de aula - Biologia e Ciências.
Deixe suas aulas mais divertidas e interessantes.
Chega de teoria, com práticas simples seu aluno aprenderá muito mais.
De R$ 49,90 por apenas
R$ 8,90.
Unidades Limitadas.
Clique aqui e saiba mais

   Fisiologia Vegetal


FISIOLOGIA DA CONDUÇÃO DE SEIVA NOS VEGETAIS


Introdução

O sistema de condução de materiais pelos corpos dos seres vivos deve garantir a distribuição de nutrientes e retirada de substâncias tóxicas das células dos tecidos de todo organismo.

Nos vegetais a condução de seiva, isto é, soluções salinas e soluções açucaradas, é realizada através dos sistemas de vasos, que se distribuem ao longo do corpo das traqueófitas.

A distribuição de seiva bruta ou inorgânica (água e sais minerais) é realizada pelos vasos de xilema ou lenho. A distribuição de seiva elaborada ou orgânica (água e açúcares) é realizada pelos vasos de floema ou líber.

1. O Mecanismo da Condução de Seiva Bruta ou Inorgânica

O transporte da seiva bruta ou inorgânica é realizado em duas etapas, apresentando um transporte horizontal e um transporte vertical de ascensão de seiva.

O transporte horizontal de seiva ocorre desde os pêlos absorventes da epiderme, até os vasos de xilema. A ascensão da seiva ocorre até as folhas, onde ocorrem os fenômenos da fotossíntese e da transpiração.

 

 

A melhor explicação para a ascensão de seiva bruta nos vegetais é a teoria da coesão tensão transpiração ou teoria de Dixon, que está baseada no fato de as folhas exercerem uma força de sucção que garante a ascensão de uma coluna de água pelo corpo do vegetal, conforme ocorre a transpiração.

Nos vasos condutores de xilema, existe uma coluna contínua de água, formada por moléculas de água, fortemente coesas, ligadas por pontes de hidrogênio.

Além da força de coesão entre as moléculas de água, estas estão fortemente aderidas às paredes dos vasos de xilema.

Conforme ocorre a saída de água na forma de vapor através das folhas, existe um movimento da coluna de água através dos vasos, desde as raízes até as folhas, pois estão coesas e submetidas a uma força de tensão que movimenta a coluna de água através do xilema.

À medida que a água é perdida pela transpiração ou usada na fotossíntese, ela é removida do caule e retirada da raiz, sendo absorvida pelo solo. Para este movimento de água no corpo do vegetal é imprescindível a força de sucção exercida pelas folhas.

Para ocorrer a ascensão da seiva bruta nos vasos de xilema, não deve ocorrer a formação de bolhas de ar nos vasos condutores, pois estas romperiam a coesão entre as moléculas de água, obstruindo a ascensão da coluna de água através do xilema.

2. O Mecanismo da Condução de Seiva Elaborada ou Orgânica

A seiva elaborada ou orgânica formada nas células dos parênquimas clorofilianos das folhas através da fotossíntese é distribuída por todo o corpo do vegetal através dos vasos de floema ou líber, que estão localizados próximos à casca dos vegetais.

Apesar de a força da gravidade ser favorável a este transporte, existe um fluxo sob pressão das folhas em direção às raízes conforme o modelo físico de Münch esquematizado a seguir.

No Modelo Físico de Münch No Vegetal
 x: Cuba com água pura x: Folha
 a: Solução de açúcar concentrado (hipertônico) a: Célula do parênquima clorofiliano
 y: Cuba com água pura y: Raiz
 b: Solução de açúcar diluída (hipotônica) b: Célula da raiz
 1 e 2: Tubos de vidro de ligação entre x e y 1: Floema 2: Xilema

 

No modelo físico de Münch, existe a passagem de água de (x) para (a) em resposta à diferença de concentração entre estes dois meios. A solução açucarada começa a subir pelo tubo (1) em direção a (b). Por pressão hidrostática a solução sai de (b) em direção a (y), retornando para a cuba (x), pelo tubo de vidro (2).

O sistema manterá este fluxo direcionado enquanto existir a diferença de concentração entre os osmômetros (a) e (b).






Os animais mais estranhos do planeta

O Axolotl Mexicano (Ambystoma mexicanum) é uma salamandra que tem a característica rara de manter suas características larvais ao longo de sua vida adulta. Esta condição, chamada neotenia, significa que ele mantém a sua barbatana dorsal de girinos, que corre ...




[ Mandar esta matéria para um amigo ]
 
Disciplinas
Aeronáutica e astronáutica 
Anatomia Humana 
Artrópodes 
Astronomia 
Biofísica 
Biografias 
Bioquímica 
Botânica 
Citologia 
Dinâmicas 
Ecologia 
Embriologia 
Evolução 
Fisiologia 
Fisiologia Vegetal 
Frutas Comestiveis 
Genética 
Geografia Fisica 
Geologia 
Histologia 
Ictiologia 
Imunologia 
Invertebrados 
Meio Ambiente 
Microbiologia 
Patologias 
Reproduçao 
Taxonomia 
Vertebrados 
Zoologia 
 
© 1999/2016 - BioMania- Todos os direitos reservados