O melhor portal biológico da internet!

Desenvolvimento Embrionário
 Embriologia


Introdução

O desenvolvimento embrionário consiste em um desenrolar contínuo de eventos, didaticamente dividido em etapas.

Os momentos iniciais da embriogênese têm aspectos semelhantes para todos os vertebrados. Todavia, etapas posteriores têm particularidades próprias de cada classe, que serão abordadas apenas superficialmente neste estudo.

 

1. Fases do Desenvolvimento Embrionário

A fecundação, a segmentação, a gastrulação e a organogênese.

a) Fecundação: consiste no encontro entre os gametas masculino e feminino. Pode ocorrer no meio externo (fecundação externa), o que é restrito à vida aquática, ou dentro do corpo da fêmea (fecundação interna). Neste último caso, ocorre a cópula, introdução dos gametas masculinos no sistema reprodutor feminino. Nem todos os animais que realizam fecundação interna têm pênis, órgão copulador. Na mulher, a fecundação ocorre na porção distal da trompa uterina.

 

 

 

 

 

 

 

 

Nos mamíferos, quando o gameta feminino chega à trompa, está envolvido pela zona pelúcida e por células foliculares. Encontra-se no estágio de ovócito II, e o seu primeiro corpúsculo polar está no interior da zona pelúcida. A fusão do espermatozóide com o ovócito se dá por ação das enzimas presentes no acrossomo do primeiro. Após a entrada do núcleo do espermatozóide, o núcleo do ovócito I sofre a segunda divisão meiótica. O núcleo masculino se une ao núcleo feminino e formam o núcleo do zigoto. Todo o patrimônio genético do novo indivíduo fica, neste momento, determinado. O primeiro e o segundo corpúsculos polares desaparecem.

Após a entrada do primeiro espermatozóide, a membrana do óvulo se modifica, tornando-se intransponível aos demais espermatozóides (membrana de fecundação).

 

b) Segmentação: o zigoto dá início a uma série de divisões sucessivas por mitose. São as clivagens, onde o volume do embrião se mantém. As células resultantes das primeiras divisões do zigoto são os blastômeros, cujo número aumenta em progressão geométrica até produzir uma esfera maciça de células, a mórula.

Posteriormente, as células se afastam do centro, onde se forma uma câmara cheia de líquido. Nesse estágio, o embrião é chamado blástula. Devido ao consumo de material nutritivo, o volume da blástula é menor que o do zigoto.

 

 

 

 

 

 

 

 

Como será mostrado no decorrer do capítulo, o tipo de segmentação depende da quantidade e da distribuição do vitelo no zigoto.

 

c) Gastrulação: é a fase onde se iniciam as diferenças mais marcantes entre os vertebrados. Consiste no período em que a massa celular da blástula irá originar 3 camadas ou folhetos germinativos. Cerca de metade das células da blástula migra para o interior. Essa migração segue caminhos muito específicos para cada tipo de ovo. A figura a seguir mostra a gastrulação de um protocordado, por invaginação.

 

 

 

 

Observe que a migração dá origem a um tubo que se dirige ao interior do embrião. É o arquêntero, cujo orifício se chama blastóporo. Nos animais protostômios, o blastóporo origina a boca, e o ânus surge posteriormente. Todos os vertebrados são deuterostômios, e do blastóporo surge o ânus.

 

 

 

 

 

 

 

As células do revestimento externo do embrião constituem o ectoderma, e as que revestem o arquêntero formam o endoderma. Longitudinalmente ao arquêntero, forma-se o mesoderma. Animais com 3 folhetos embrionários são ditos triblásticos.

Do mesoderma, formam-se 3 estruturas longitudinais: a notocorda, massa que consituiu o eixo de sustentação do embrião, os somitos, blocos segmentares que produzirão músculos, tecido conjuntivo, etc., e o celoma, cavidade corporal revestida por dois folhetos da mesoderma. A região de associação entre o arquêntero e o folheto mesodérmico em contato com ele constitui a esplancnopleura, enquanto a área de aposição do outro folheto mesodérmico com o estoderma forma a somato-pleura.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No final das gastrulação, a região dorsal da gástrula origina a placa neural. As bordas se encurvam, constituindo a goteira ou sulco neural e, posteriormente, o tubo neural, precursor do encéfalo e da medula espinhal. Ressalta-se que o tubo neural se origina de células ectodérmicas.

d) Organogênese: consiste no período em que as estruturas embrionárias primitivas irão ensejar o aparecimento de tecidos e órgãos adultos se diferenciando. No embrião humano, o período de diferenciação está concluído após 12 semanas de desenvolvimento embrionário. Trata-se, portanto, de uma fase particularmente sensível aos agravos, já que pode surgir má formação, como no uso de drogas pela mãe, uso de talidomida, rubéola materna, etc.


Download Gratuito

300 Atividades Práticas em Sala de Aula - Biologia e Ciências

Suas aulas mais divertidas e proveitosas. São 300 atividades práticas em sala de aula de Ciências e Biologia.